sexta-feira, 11 de maio de 2007

Ah! marafada, que me ia dando uma tração!

(Aviso prévio aos navegadores: tudo o que daqui em diante escrever será da inteira responsabilidade da 'cia', razão pela qual podem sempre encomendar-lhe a tradução do post...)

Andava eu aqui na farfúncia habitual, feniscadinha e entanguida, com a bela da peitogueira, quando me tocaram à porta.
Estava panca com certa abaixaneira que me assolava desde manhã e, como tal, perdi o zaringel e ramoquei: «Já vai!».
Abri.
Era o carteiro, moço lasqueirão, sorridente, que me disse: «Amecê assina-me isto, enquanto eu vou à da vizinha? ».
«Prante-se quedo, mã!» - disse-lhe eu - «Se é para a assinar, amecê há-de-dar-me alguma coisa em troca, né?»
Então não é que lhe deu risa este meu dito? Vai daí, disse: «E eu que estava aqui a arremangar... Mas vomecê há-de ficar com este pacote que vem em seu nome.» E, dito isto, zifou-se e eu fiquei na dúvida se ele não estaria com uma pitifanga, ou assim...

Abri o pacote, já cheiinha de fernequitos, e que grande pinhoca pr'ali vinha, mãs!!!
A marafada da Miquinhas tinha-me feito o avio de tudo o que é preciso prá pangalha e prá ratoiça!
Vejam só!

O belo do doce e dos temperos para me tornar mais rebola!
A minha moçanhada adorou e obrigou-me a repartir...

Materiais lindos para fazer muitas òcharias!

Guia para o passeio no belo Algarve, com linguajares incluídos e tudo!


O coração dos meus encantos que se perdeu numa Floresta Encantada, há algumas luas atrás!

E, por fim, mas não por último, as mais belas palavras que se podem ler, escritas por uma moça amoradiça, reponteada do Dácámisso, mas não em espírito e coração.
Quer-me parecer que os Dácámissos, além de espalharem carcachadas, têm inspirado às letras outros belos reinos...
Fica prometido que, quando for ao Algarve, passo por aí para irmos a um balho, jogarmos ao belindro ou, até mesmo, às arrachas de melancia!
E depois, regada a amizade com certas promessas de licor, faço uma grande perrenga na hora de vir-me s'embora!
Tal será o argel que nunca me vão esquecer por essas bandas!
Obrigada pelo reforço glicémico, pelas carcachadas, pelas palavras e pela amizade dedicada desde os primeirinhos tempos!
Tal está esta cachamorra de estares longe, hein?!, Miquinhas?
Até breve!

1 comentário:

miquinhas disse...

Mó, "má q'jêt" dar-te uma tração? Soubera eu e tinha aviado só um talego. E olha qu'inda faltaram umas arvelhanas e uns griséus que à última da hora se me olvidaram. Culpa minha que ando pataroca e tenho tudo de patanquilhas.
Mas olha que foi com grande satesfação que te fiz chegar o pacotinho.
E quando vieres ao Algarve vamos aproveitar essa rastoiça e jogar também ao galômpio e ao jogo do manecas. Aproveitamos a relengueira com as promessas de uns licores, tomados sob um pangaio e vão ser só carcachadas. Uma grande pangalhada, vais ver.
Mesmo reponteada tenho uma grande afeição pelo teu reino e por quem o reina, Doce Isabel (desde os primeirinhos e até sempre).
Beijinhos