terça-feira, 26 de junho de 2007

Afinal não fui à Laica!

Não fui à Laica "derivados da questão de coiso e tal. Ah!, pois é!". Espero que compreendam.

Tirando isso, ainda tive a festa de fim-de-ano de infantário da Pokonhé, com direito a assistir a momento musical protagonizado pela própria e tudo! O tema: os heróis; a escolha mais que inevitável:uma princesa-heroína!

Uma mãe e um pai avessos a folhelhos e brilhantelhos comprados a propósito de nada, fizeram da Pokonhé uma princesa diferente, graças, também, à costureira-auxiliar particular Avó Micas!
No meio de Super-Homens-Aranhas, jogadores de futeberlinde e outras tantas princescas, a Pokonhé esmerou-se na coreografia (atentem no dedito anelar: anelzinho real em feltro!).
O savoir-faire do agarrar no vestidinho nasceu com a menina. A coroa e o colar reais são as marcas da nobreza, alta joalharia executada pela Real Casa Dácámissensse.
Faltou o pormenor da sandalona, made in by «Isabel Alei Shoes House».
Ser princesa já não é o que era...
Até breve!

2 comentários:

miquinhas disse...

Pois não, ser uma princesa já não é o que era. Esta é mais p'rá frentex, aqui mando eu e tal e que ninguem ouse fazer-me sombra porque sou a mais encantadora de todas.
Ora toma! E tem toda a razão sua Alteza Pokonhé Dácámissensse.
Beijinho grande para o clã Dácámisso

Wayfarer disse...

Princesas com brilhantes há muitas!! O que elas não sabem é que nakele tempo não havia lantejoulas e purpurinas! :D Viva princesa pokonhé!! viva às habilidosas da familia! Isto é alta-costura!!!
Parabéns à artista-princesa e beijinhos para todos!