sábado, 17 de fevereiro de 2007

O Sol, quando nasce, é para todos!


Com excepção deste Solzinho,
que é só nosso,
aqui de casa...


Mas - e há sempre um «mas» - as viroses também nascem para todos e, como tal, estamos todos doentinhos.

A sério: não se deixem enganar com o ar da minha Ana que, com virose, ou sem ela, anda sempre salticantante.
Que bem que me sabia agora a Primavera... Com o seu Sol morninho, e os seus passarinhos pipilantes...


O Pi-piu azul ensolarado tem sorte.
Ele vive na companhia do Sol...

Confesso que, um destes dias - ainda as viroses por aqui não assolavam -, quando fui apanhar azedas, com a minha alcofa de verga, para o meio do monte ...

(Não sou «freak», não: apanho azedas para tingir a lã
que há-de vir a ser os cabelos dos meus Anjotchos, os primeiros a serem louros)

... senti por ali a Primavera. Mesmo, mesmo. Além do Sol que deslumbrava todas as azedas em que tocava (obrigando-as, invejosas, a evidenciar ainda mais o seu amarelo), vi uma joaninha e, pouco depois, uma andorinha.
Acredito que são sinais indubitáveis da proximidade da Primavera.

Não há-de faltar muito para que as Fadas comecem por aí a espreitar...

Cá por casa já vão aparecendo Fadunchas...

Até breve («cof, cof!» - menos virulenta, espero....)!

3 comentários:

miquinhas disse...

Olá Isabel
O melhor é pedir a intervenção dos passarinhos e passarocos e das fadunchas para expulsar essas viroses.
Confidenciou-me o vento norte (que na minha terra sopra com alguma força, de vez em quando), que a Primavera está só a retocar o rimel para vir até nós. Já não falta muito.
Melhoras para todos
Beijinhos

miquinhas disse...

Olá Isabel, novamente
Convidámos-te para uma brincadeira. Dá um salto ao nosso blog e vê do que se trata.
Beijinhos

alice disse...

Parabéns pelos trabalhos lindos.
Beijocas e as melhoras
Alice